Página Inicial O Instituto Corpo Docente Milton H. Erickson Parceiros Cadastro Contato
 

Agenda

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade - Divertidamente - Trabalhando as Emoções

    18 de outubro de 2017, das 15h às 18h - Facilitadoras: Suely Dessandre e Angélica Glória. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • CURSO DE HABILITAÇÃO - Hipnose Moderna: Abordagem de Milton H. Erickson

    Início em 10 de março de 2018. Agora em Niterói, participe!

    [saiba mais]

  • MEDITAÇÃO ERICKSONIANA

    Às terças-feiras, a partir de 31 de outubro de 2017, das 19h às 21h - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade

    27 de setembro de 2017 - Facilitadoras: Ana Zagne e Suely Engelhard. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • OFICINA GRATUITA NA UFF - A utilização da Hipnose Moderna na atualidade

    18 de setembro de 2017, às 19h - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • WORKSHOP GRATUITO VIVENCIAL - Meu nome, sobrenome e meus antepassados

    16 de setembro de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade

    23 de agosto de 2017 - Facilitadora: Fernanda Pessanha. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Cristais, instrumentos do despertar humano

    15 de julho de 2017 - Facilitadora: Maria Cecília de Carvalho

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO - Participação gratuita no primeiro encontro! Faça sua inscrição!

    21 de junho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO - Participe gratuitamente do primeiro encontro! Vagas limitadas, inscreva-se já!

    15 de maio de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • EVENTOS com Regina Nohra em Niterói

    Conheça nossas atividades com Regina Nohra, em Niterói, em maio e junho de 2017

    [saiba mais]

  • LABORATÓRIO DE SENSIBILIDADE DAS EMOÇÕES - Responsabilidade Consciente (Aracaju)

    10 de junho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • CURSO de Auto Hipnose

    20 de maio de 2017 - Facilitador: Raphael Luz

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO

    15 de maio a 30 de julho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • MEDITAÇÃO ERICKSONIANA (encontros semanais, às terças-feiras)

    04 de abril de 2017 (início) - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Empoderamento Feminino

    25 de março de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Autoliderança & Inteligência Emocional

    11 de março de 2017 - Facilitadora: Rosa Castro

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Como criar um futuro irresistível agora?

    16 de fevereiro de 2017 - Facilitadora: Mônica Panasco

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Manejo do estresse: Da cabeça quente à mente iluminada

    06 de fevereiro de 2017 - Facilidarores: Juliana Viard e Júlio Cesar Quaresma.

    [saiba mais]

  • LABORATÓRIO DE SENSIBILIDADE DAS EMOÇÕES

    04 de fevereiro de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • WORKSHOP - Metas 2017: Transformando sonhos em resultados extraordinários

    07 de janeiro de 2017 - Facilitador: Emerson Pacheco

    [saiba mais]

  • Curso Intensivo de Formação Hipnose Natural: Abordagem de Milton H. Erickson

    Transmitir vida e obra do Dr. Milton H. Erickson, pai da hipnose natural e criador das técnicas Ericksonianas. Difundir os conhecimentos científicos da Hipnose Natural Ericksoniana. Capacitar os alunos para utilizar os princípios técnicos da Hipnose Natural Ericksoniana que é um instrumento eficaz para lidar com as manifestações e sintomas dos pacientes nos tratamentos psicoterápicos, médicos, fisioterápicos e odontológicos. Faça seu cadastro e receba mais informações.

    [saiba mais]

 
 

Mídias Sociais

Facebook
   

Compartilhar

Artigos e Textos

Sentimentos - AMOR & PSIQUÊ (12/2015)

Erickson Antunes

AMOR & PSIQUÊ | Love & Psyche

Dentre todos os sentimentos que o ser humano pode experimentar, o que mais lhe traz benefícios para a mente e o corpo é o amor.     

Na língua portuguesa, a palavra amor é utilizada para designar todo tipo de afeto intenso. Contudo, ainda que a etimologia da palavra amor se encerre no latim, o português passa pela língua romana e tem origem no idioma grego. Sendo assim, devemos levar em conta que, neste último, existem três palavras para expressar o amor:           

Eros: é o sentimento do ser humano pelo seu cônjuge – amor erótico.    

Philos: é o sentimento do ser humano pela família, amigos, filhos e profissão – amor social.   

Ágape: é o sentimento do homem por Deus – amor sagrado.       

Dessa maneira, percebemos que existem três estilos de amor. Cada um, com características diferentes no modo de ser vivenciado.     

Amar é uma das fontes de equilíbrio e liberdade para a psiquê, mas para que isso ocorra, é necessário compartilhar o amor; caso contrário, ele se torna fonte de desequilíbrio mental e coloca o ser humano em uma cadeia interior, encaminhando-o para a paixão que, em seu sentido original, se refere à perda da razão e ao sofrimento.    

Antes de prosseguirmos, é preciso esclarecer que o fundamento deste artigo é a linguagem. Se a palavra ágape existe, ela nasceu de um sentimento humano pelas coisas sagradas. Algumas pessoas, por suas reflexões, desconsideram a existência de Deus e, assim, podem compartilhar o amor entre eros e philos.          

Voltando ao nosso tema, alguns colocam todo seu amor em um casamento ou em um namoro e, inconscientemente, acabam esperando vivências que são características do amor philos ou ágape. Esperam que um cônjuge substitua amigos ou esperam encontrar, no relacionamento, uma perfeição que só pode ser encontrada em Deus.

Outras direcionam todo seu amor para a profissão e acham que estão seguras, dedicando-se integralmente a uma carreira; contudo, da noite para o dia, podem passar por transtornos no trabalho, ou serem demitidas.         

Há outras que entram em um processo fanático-religioso, anulam as demais vivências da vida e atropelam os sentimentos do cônjuge, dos amigos e da família, querendo impor doutrinas religiosas.

Levando em consideração essa lente dos três amores, devemos olhar atentamente para nossas vidas e analisar se, nos momentos em que passamos as maiores dificuldades, estávamos frágeis pela presença de um único tipo de amor. Por exemplo, quando temos os três amores “ativados” e, por algum motivo perdemos um, ainda podemos contar com os demais para nos dar suporte e nos ajudar, até que o amor perdido seja elaborado ou substituído.           

Às vezes, perde-se o(a) namorado(a) ou o cônjuge, mas ainda ficam os amigos, a família, o trabalho e a fé, para ir vivendo, até que o relacionamento seja restaurado ou substituído. Outras vezes, é o trabalho que é perdido, mas ainda temos nosso cônjuge, a família, os amigos e a fé para prosseguirmos, até que outro trabalho seja conquistado.  

Cabe lembrar que ter uma figura representativa não é sinônimo de amor de fato. Existem pessoas que têm um cônjuge, mas não o amam ou não são amadas. Assim como existem pessoas que fazem parte de uma família, mas na hora da dificuldade, a família desaparece ou não lhes dá o apoio de que necessitam. Outras têm muitos amigos para bares, noitadas e viagens, mas para a hora da solidão, tristeza e dor todos se ausentam.

Devemos ter a compreensão de que, se após anos tentando elaborar o amor e o relacionamento, em alguma área de nossas vidas, não fomos bem sucedidos, é preciso reconhecer que esse ciclo chegou ao seu final. Cabe, então, partir para novas vivências onde o amor possa ser verdadeiramente experimentado.   

“Sempre é preciso reconhecer quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.”

(Encerrando Ciclos - Fernando Pessoa)

 

A vida só é prazerosa e equilibrada quando vivida com amor. Se, por comodismo, dificuldades psicológicas, ou outras circunstâncias, passamos a viver sem compartilhar esse sentimento adequadamente ou, vivemos de maneira doentia, entregando o amor  totalmente a um único estilo, é hora de parar e reavaliar como temos vivido.

Sigmund Freud, sendo evolucionista, afirmou:       

“Em última análise, precisamos amar para não adoecer.”           

Já Carl Jung, que considerou Deus em sua vida e teoria, disse:     

“Onde acaba o amor têm início o poder, a violência e o terror.” 

Para se ter uma existência autêntica, é necessário abrir a mente para o amor; é necessário compartilhá-lo entre eros, philos e ágape. Quem assim se dispõe a viver, usufrui de uma das fontes de equilíbrio psicológico e de liberdade que a vida coloca à disposição de todo ser humano.

28/04/14

Erickson Antunes
Psicólogo ericksoniano e analista de casais
CRP 05/39859 

E-mail: erickpsyche@gmail.com
Tels.: Clínica - (21) 3023-0648 / Secretária: 98176-5356 / Particular: 98676-0001

Voltar
 
Cursos