Página Inicial O Instituto Corpo Docente Milton H. Erickson Parceiros Cadastro Contato
 

Agenda

  • CURSO DE HABILITAÇÃO - Hipnose Moderna: Abordagem de Milton H. Erickson

    Início em 2019. Participe!

    [saiba mais]

  • Laboratório das emoções

    Um sábado ao mês de setembro de dezembro. Icaraí - Niterói.

    [saiba mais]

  • Palestra Um novo olhar no momento de Crise

    17/08/2018. Das 19h às 21h Local: Rua Mem de Sá, nº 61. Icaraí, Niterói - RJ

    [saiba mais]

  • Workshop Vivencial - "O EU SOU, despertando a força interior"

    Uma troca de experiência sobre valores espirituais e os limites de nós como humanos. 15 de Abril em Niterói. Entrada Colaborativa

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO

    19/09 à 21/11/18 – 19h às 21h. Participe!

    [saiba mais]

  • WORKSHOP "MEU NOME, SOBRENOME E MEUS ANTEPASSADOS"

    24 de fevereiro de 2018 em Niterói.

    [saiba mais]

  • MEDITAÇÃO ERICKSONIANA

    Às terças-feiras, em março, com dois grupos, de 16h às 14h45 e 19h às 20h45 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade - Divertidamente - Trabalhando as Emoções

    18 de outubro de 2017, das 15h às 18h - Facilitadoras: Suely Dessandre e Angélica Glória. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade

    27 de setembro de 2017 - Facilitadoras: Ana Zagne e Suely Engelhard. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • OFICINA GRATUITA NA UFF - A utilização da Hipnose Moderna na atualidade

    18 de setembro de 2017, às 19h - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • WORKSHOP GRATUITO VIVENCIAL - Meu nome, sobrenome e meus antepassados

    16 de setembro de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • TARDES DE CINEMA com a 3ª idade

    23 de agosto de 2017 - Facilitadora: Fernanda Pessanha. Direção geral: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Cristais, instrumentos do despertar humano

    15 de julho de 2017 - Facilitadora: Maria Cecília de Carvalho

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO - Participação gratuita no primeiro encontro! Faça sua inscrição!

    21 de junho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO - Participe gratuitamente do primeiro encontro! Vagas limitadas, inscreva-se já!

    15 de maio de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • EVENTOS com Regina Nohra em Niterói

    Conheça nossas atividades com Regina Nohra, em Niterói, em maio e junho de 2017

    [saiba mais]

  • LABORATÓRIO DE SENSIBILIDADE DAS EMOÇÕES - Responsabilidade Consciente (Aracaju)

    10 de junho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • CURSO de Auto Hipnose

    20 de maio de 2017 - Facilitador: Raphael Luz

    [saiba mais]

  • GRUPO DE CRESCIMENTO

    15 de maio a 30 de julho de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • MEDITAÇÃO ERICKSONIANA (encontros semanais, às terças-feiras)

    04 de abril de 2017 (início) - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Empoderamento Feminino

    25 de março de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Autoliderança & Inteligência Emocional

    11 de março de 2017 - Facilitadora: Rosa Castro

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Como criar um futuro irresistível agora?

    16 de fevereiro de 2017 - Facilitadora: Mônica Panasco

    [saiba mais]

  • PALESTRA GRATUITA - Manejo do estresse: Da cabeça quente à mente iluminada

    06 de fevereiro de 2017 - Facilidarores: Juliana Viard e Júlio Cesar Quaresma.

    [saiba mais]

  • LABORATÓRIO DE SENSIBILIDADE DAS EMOÇÕES

    04 de fevereiro de 2017 - Facilitadora: Regina Nohra

    [saiba mais]

  • WORKSHOP - Metas 2017: Transformando sonhos em resultados extraordinários

    07 de janeiro de 2017 - Facilitador: Emerson Pacheco

    [saiba mais]

  • Curso Intensivo de Formação Hipnose Natural: Abordagem de Milton H. Erickson

    Transmitir vida e obra do Dr. Milton H. Erickson, pai da hipnose natural e criador das técnicas Ericksonianas. Difundir os conhecimentos científicos da Hipnose Natural Ericksoniana. Capacitar os alunos para utilizar os princípios técnicos da Hipnose Natural Ericksoniana que é um instrumento eficaz para lidar com as manifestações e sintomas dos pacientes nos tratamentos psicoterápicos, médicos, fisioterápicos e odontológicos. Faça seu cadastro e receba mais informações.

    [saiba mais]

 
 

Mídias Sociais

Facebook
   

Compartilhar

Artigos e Textos

A mente, a consciência e a alma (9/2018)

Robert Happé.

Encarnar neste planeta significa adentrar um campo físico cuja natureza energética é densa e dual. Para que a alma possa ancorar a consciência do amor num mundo de características vibracionais tão desafiadoras, nos são oferecidas certas ferramentas que nos são de ajuda para esta tarefa.

Cada um de nós possui quatro corpos, relacionados aos quatro elementos presentes neste planeta.

O corpo mental é criado a partir do elemento ar e dá sustentação ao intelecto ou mente.

O corpo emocional é criado a partir do elemento água e é através dele que os sentimentos são contatados.

Do elemento terra, o corpo físico é criado. Ele se constitui numa ferramenta muito prática para trabalhar e criar no plano físico.

A alma viaja por meio do corpo do fogo ou corpo espiritual, que sustenta o amor e a criatividade.

Vamos, em primeiro lugar, discutir a mente.

A característica fundamental da mente é ser uma criação qie nunca está satisfeita com seu próprio estado, querendo sempre saber mais. Ela coloca suas experiências em pequenas caixas chamadas palavras ou conceitos.

A mente funciona de forma muito semelhante a um computador, constituindo-se numa excelente ferramenta que coleta e armazena nossas impressões sobre a vida. Ela nos dá suporte informativo para que possamos desenvolver o entendimento; não funciona, entretanto, por si só, do mesmo modo que também o computador não o faz.

A função principal da mente é refletir todas as informações que nos fazem disponíveis para a consciência. Assim, quando ela opera como servidora da consciência da alma, torna-se uma valiosa ferramenta que nos abastece com informações que compreendem tempo e espaço, bem como a relação entre as várias experiencias.

A mente não é, portanto, a consciência, mas sim o banco e o processador de dados das experiencias desta vida presente, como um computador armazenando e organizando palavras e conceitos nele colocados. Poderíamos dizer que a mente é o software, o disquete, e o cérebro é o hardware, o computador propriamente dito; a consciência por sua vez, é que direciona o computador, enviando e recebendo as mensagens. 

O uso da palavra cérebro compreende o sistema nervoso subcentral e o corpo. O sistema nervoso é a rede de nervoso que percorre o corpo físico gravando as sensações. Na realidade, o cérebro esta localizado ao longo do corpo físico; temos o cérebro central instalado dentro da cabeça, lidando com ideias, e o centro nervoso central subcentral localizado no plexo solar, lidando particularmente com danos emocionais. Uma rede de nervos conecta-se a cada célula de nosso corpo, o que nos permite estar conscientes da saúde em cada parte.

O mesmo acontece com o Corpo Universal – linhas de força eletromagnéticas e invisíveis, chamadas neutrinos, conectam tudo que é vivo, como uma rede semelhante ao sistema nervoso.

A consciência é a energia que viaja ao longo desta rede, saindo e entrando no corpo para dentro e para fora do espaço e da matéria. Os neutrinos possibilitam que a consciência viaje, observe as coisas e traga de volta as percepções para serem gravadas na mente, enquanto dados no computador-cérebro. 

A percepção da consciência está diretamente relacionada ao grau de habilidade de cada individuo em viajar conscientemente pelos neutrinos do espaço, à capacidade de fazer a leituras das percepções sem distorcê-las e à confiança que nelas se deposita. A percepção consciente se torna limitada, quando não estamos em sintonia com o processo descrito. Porém, quando nos damos conta de que estamos conectados em rede à Mente Universal e confiamos nas informações que nos chegam, podemos atingir níveis surpreendentes de consciência!

A palavra consciência, na acepção que estamos utilizando, descreve a consciência que conhece a si própria como processadora de dados que estão sendo percebidos. Subconsciência, por sua vez, refere-se ao movimento da consciência que não está consciente de si próprio.

Assim, é a consciência que traz o oculto para a luz. Podemos estar conscientes, por exemplo, de ocorrências em outra parte da casa que não estão sendo visas com nossos olhos físicos. Podemos nos tornar conscientes, também, do que está por trás de um comportamento padrão ou de um hábito. Para que possamos nos tornar plenamente conscientes, portanto, precisamos ficar mais sensíveis a vida, aprendendo a trabalhar com os sentimentos, a enxergar de olhos fechados.

Os pensamentos que percorrem a sua mente, não são você. Você é aquele que está consciente desses pensamentos; é quem se move da consciência para a superconsciencia, para o eu superior. É de extrema importância, então, observar e examinar os pensamentos, porque isto nos ajuda no aprendizado de nos tornarmos conscientes

Onde quer que você perceba desarmonia, realize o exercício de substituí-la por uma energia nova, ao invés de reproduzir o passado, de toma-lo como referencia absoluta.

Para sintonizarmos as frequências mais elevadas da consciência, temos que, em primeiro lugar, movermo-nos para além do pensamento polarizado de nossa mente. Logo, é da máxima importância que todo o processo mental seja disciplinado e checado de forma diária.

Nossa vida sempre tem aspectos positivos e negativos e sempre será assim. A nossa tarefa não é a de ficarmos em uma ou outra das duas extremidades dessas polaridades, mas sim de equilibrarmos cada uma em face da outra. A mente pensa eternamente em termos de polaridade. É de sua natureza sempre se movimentar para o lado oposto a fim de observar o outro ponto de vista. Dessa maneira, ela examina todas as coisas, primeiro sob um ângulo, depois sob outro.

A mente faz distinções o tempo todo, classificando nossas experiências. Mas ela só consegue observar uma coisa de cada vez, por isso é chamada de mente racional. Somente a consciência tem a habilidade de unir as polaridades.

A mente racional só consegue pensar em termos de bom ou mau, certo ou errado, verdadeiro ou falso. Não consegue enxergar que as duas faces pertencem à mesma moeda, à mesma experiência. Para tal, precisamos convidar nossa parte intuitiva.

A imaginação feminina criadora. Assim procedendo temos acesso à visão simultânea dos dois lados.

Por si só, a mente se constitui numa ferramenta preciosa para alcançarmos certos níveis de entendimento. Ela nos dá a oportunidade de manter um diálogo interno, de refletir, de observar e tomar decisões. Mas é em aliança com a intuição que conseguiremos usá-la para extrair os ensinamentos de nossas experiências, pois a colocamos como observadora das polaridades. Assim, tomar nota de pensarmos do tipo “gosto disso”, “não gosto daquilo”, pode ser um exercício de grande utilidade para irmos mais longe na observação de nós mesmos, para ganharmos entendimento de como e porque a mente fez tais classificações.

Cada pensamento está gravado em nosso computador como uma impressão que cria as situações de nossa vida.

Cada pensamento é como uma semente; no momento em que você pensa, você planta essa semente. Ela irá crescer, tornar-se uma árvore que, por sua vez, produzirá frutos e criará milhares de novas sementes. Isso acontece com os pensamentos positivos e com os negativos. Logo, perceba que, ao pensar de uma maneira negativa, você cria escuridão, com a qual você mesmo terá que lidar.

Precisamos, dessa forma, ir além do pensamento polarizado, o que significa parar de pensar em termos de bom ou mau, certo ou errado verdadeiro ou falso. Precisamos parar de preferir uma coisa em detrimento de outra e simplesmente fazer o que é apropriado para cada momento.

O drama do conflito e da polaridade precisa ser resolvido para que ganhemos acesso a níveis mais elevados de consciência. O caminho para esse acesso é simplesmente parar de julgar, aceitar as coisas como elas acontecem e, em seguida, decidir por uma resposta, ação ou exemplo que ofereça algo de novo. O positivo e o negativo precisam ser integrados num ponto de equilibrio; só assim poderemos amar mais e desta maneira transmutar o medo.

A substancia básica do nosso Universo é a energia. Ela esta sempre se movendo de um polo a outro, num movimento constante de alternância que perfaz o fluxo ao longo do símbolo do infinito – representado pela figura do oito na horizontal.

A energia move-se continuamente entre os aspectos positivos e negativos da experiencia. Assim, quando se fica fixado em um polo, a falta de movimento, por si só, causa muito desconforto.

Desde a infância, ouvimos de maneira frequente a mensagem de que devemos distrair nossa atenção para alguma outra coisa, quando estamos tristes ou temerosos. Nossa mente possui em seus arquivos uma coleção de sugestões do tipo “assista TV”, ou “brinque com seus brinquedos”, mais tarde, nós mesmos aumentamos a lista com toda sorte de correlatos.

Raramente, alguém nos diz que não há nada de errado em nos sentirmos tristes e solitários, que possuímos a aptidão de entender o que acontece por termos as duas polaridades dentro de nós. Mais raramente ainda, recebemos mensagens do quanto é necessário equilibrar cada experiencia e seguir adiante.

Não é preciso ficar triste por mais de uma fração de segundo, quando percebemos que, onde há tristeza, a alegria também está presente, em função de ambas pertencerem intrinsecamente à mesma experiência. É através do ato de nos movermos de uma polaridade a outra ao longo da figura do oito que nos tornamos livres, que começamos a enxergar as escolhas que nos tornam felizes.

Experimentar, diretamente dentro de nós, nossa polaridade negativa é alfo que não podemos nos furtar, caso queiramos encontrar felicidade. Precisamos ser corajosos o suficientemente para entramos profundamente em contato com o aspecto negativo de nossas experiencias. Aí, sim, antes que percebamos, somos elevados para a polaridade positiva.

A essência básica de nosso planeta é a polaridade; observe mais atentamente a natureza, ou o mar e perceba as polaridades que regem tudo que existe. Quando você começa a reconhecer este fato e o aceita dentro de sua própria vida, aí você tem a chance de movimentar livremente com o fluxo.

É ótimo mover-se através dessas fases de tristeza e alegria e vice-versa! O movimento é fundamental para nosso desenvolvimento. Somente quando você para de se movimentar é que se torna rígido e, eventualmente, até adoece.

O que quer que você sinta, o seu corpo irá retrata-lo. Então, esteja disposto a aceitar as polaridades de todas as coisas e, por favor, lembre-se de que você é capaz de lidar com tudo que estiver acontecendo!

Para que possamos adentrar a experiencia da quarta dimensão é fundamental que cada um de nós aprenda as lições da realidade tridimensional. Aqueles que já passaram para o plano da quarta dimensão, em conjunto com os anjos, estão prontos para ajudar, se lhes pedirmos ajuda. Os que estão encarnados e que já experimentam a vibração da quarta dimensão, também começam a fazer parte de sua experiencia, porque você começa a atrair pessoas que lhes dão apoio quando se propõe e elevar sua consciência.

Reconciliar, então, as polaridades do nosso pensar é ver apenas a unidade onde quer que olhemos; e este é um desafio para o qual estamos plenamente capacitados. O nosso interior tem abundancia de recursos para nós tem abundancia de recursos para nos oferecer e nossa alma atrai aqueles que nos dão estímulos e suporte, neste e em outros planos.

Ver a unidade significa ver amor onde há medo. Algumas vezes o amor parece tão assustador que é difícil reconhecê-lo.

Mas, uma vez que você começa a enxergar através do jogo, você pode ser de muita ajuda para os outros. Não é essa, afinal a razão pela qual estamos aqui?

A segunda área de estudos é a dos sentimentos; também usamos a mente usamos a mente para examiná-los. Precisamos entender, primeiramente e de forma mais completa, os sentimentos relacionados ao aspecto biológico, quer ocupemos um corpo masculino ou feminino. Cada homem é também uma mulher e cada mulher é também um homem. Esta é outra polaridade que não tem sido bem compreendida.

Uma pessoa de fato equilibrada é igualmente masculina e feminina, forte e capaz de ser firme e, ao mesmo tempo, gentil, receptiva e nutridora. Assim, familiarize-se com as energias que são condizentes com o corpo que você ocupa nesse momento e descubra as energias opostas, que também fazem parte de você.

A maioria das almas, quando escolhe as lições que acompanham o corpo masculino e feminino, fica com eles por uma série de vidas, até que chegue o momento de adquirir maestria na polaridade oposta. Assim, quando uma alma vai do feminino para o masculino, é muito normal que sinta de forma mais dominante a polaridade feminina dentro de um corpo masculino. Muitos se sentem desconfortáveis e até desejam, uma mudança de corpo. O mesmo se aplica para a alma que vem de uma série de encarnações masculinas e passa, em seguida, para a feminina.

Se houvesse mais clareza no entendimento deste fato, nós poderíamos ajudar e guiar essas almas, incentivando-as a aceitar a experiência que atraíram; poderíamos encorajá-las em suas jornadas, ao invés de critica-las, ou julga-las por não se comportarem de acordo com as expectativas e normas estabelecidas.

O que há de errado com um homem que ama outro homem ou uma mulher que ama outra mulher? Deixe-os ser como são; quando o amor é compartilhado, tudo está bem.

Eventualmente, eles se tornam curiosos de compartilhar energia com polaridade oposta, porque curiosidade é um aspecto da natureza da mente. Mas, quando são julgados e criticados, passam a ter medo e ficam isolados em grupos. A rejeição dos outros faz a vida muito pouco agradável para eles e, deste modo, vão se tornando vulneráveis também a doenças.

A integração solicita que nos responsabilizemos por terminar com toda dualidade. Iremos experimentá-la, quando todos aceitarem se fundir com tudo que é vivo, sem deixar nada fora, nada separado.

Para compreender o significado mais profundo de integrar, seria útil que soubéssemos mais sobre a alma, como ela se desenvolve, cresce, nutre. Antes, porem, convém lembrar que o Universo é um ser vivo e que tudo que é vivo faz parte de tal ser. As almas, nesse Universo, podem ser melhores entendidas enquanto células no corpo desse ser.

A alma pode melhor ser descrita como um campo eletromagnético atraindo energia para si. Ela se movimenta através do Universo como uma entidade curiosa, sempre aprendendo sobre a vida, através dos vários planos dimensionais existentes.

No momento da Criação, a alma é presenteada com as mesmas qualidades do Criador Universal. Essas qualidades são conhecidas como leis interiores da alma e são, também, absolutamente confiáveis. Quando decidimos confiar em nosso eu interior, encontramos todas as virtudes que tanto buscamos como entendimento, o amor, a harmonia, a coragem e a sabedoria. A alma trouxe essas virtudes da fonte de onde veio e elas são, em essência, a própria natureza humana.

Para que a alma possa aprender quem de fato é, ela precisa se separar da fonte, do que lhe é familiar e satisfazer, assim, sua curiosidade; uma vez satisfeita em sua busca, a alma retorna a fonte. É a partir da separação, portanto, que as condições de desenvolvimento da alma são criadas.

A alma vai então seguindo em sua jornada através do Universo, separando-se do que lhe é familiar, experimentando e descobrindo o novo. E retorna mais tarde, quando completar o ciclo, para se reintegrar com tudo o que lhe é conhecido e com a fonte.

Essencialmente, a alma é um centro magnético e atrai energia para si. Energia significa informação; informação é luz, que por sua vez, é energia.

Quando a alma resolve se aventurar e decide deixar o conforto da fonte, ela inicia a jornada de criação de um centro só seu, coletando dados a partir de suas experiências, tornando-se um Universo em miniatura.

A alma é como um centro com propriedades magnéticas, pois atrai e coleta experiencias aonde quer que vá. Essas experiencias, que se traduzem em informações ou dados, são, por sua vez, luz ou energia. É por isso que a alma é descrita como um ser de luz.

Quanto mais a alma experiencia, movendo-se se um lugar para o outro, mais energia e aceleração ela ganha, mais seu centro magnético se desenvolve. Assim, em essência, o movimento e as experiencias produzem magnetismo e desenvolvimento. Uma alma que tem medo de experienciar a vida e que paralisa o mover-se através dela, termina por enfraquecer seu centro magnético, bloqueando desse modo suas oportunidades de crescimento.

A experiencia é como um professor de que a alma necessita para de desenvolver. A alma é um criador em miniatura, buscando desenvolver-se para adquirir tanto conhecimento e onipotência quanto a fonte da qual foi criada.

A alma se move no seu caminho pelo Universo, utilizando-se da energia que ganha ao coletar dados, experiencias e informações; assim ela vai formando seu próprio livre-arbítrio. A alma passa a carregar, então, a luz que vem do entendimento adquirido por meio das experiencias. Quando ela aprende a contatar conscientemente seu próprio amor, percebe sua herança divina, cada alma tem a possibilidade de circular livremente pelo universo em outras dimensões, ou em diferentes campos de frequência, bem como pode escolher se apegar ao plano físico. Na medida em que a vontade da alma se move e se expressa, ela começa apegar-se a todas as coisas.

Para estar presente nesse plano físico tridimensional, a alma necessita primeiramente, apegar-se a uma moradia apropriada. Quando ela encontra paz que se disponha, um veiculo é preparado, este corpo físico torna-se então seu lar e, através dele, a alma pode obter as experiências especificas deste plano.

A continuidade do desenvolvimento está relacionada aos apegos. Se a alma não se apegar a alguma coisa ela vai esgotando a energia que acumulou. Ela começa o aprendizado a partir de seu ambiente; aceita a programação imposta e se apegar às pessoas, coisas e situações. O apego ocorre por que a alma tem desejo de se comunicar, de se expressar e de estabelecer relacionamentos. Ela busca qualidade, aprende e troca informação e energia, algumas vezes se rebela e, dessa forma, vai construindo um sentido da individualidade.

Os apegos da alma são mais propriamente percebidos enquanto desejos e desejo também é energia. Em outras palavras, é o desejo que atrai as experiencias. O constante movimento da alma esta, então, relacionado a desejos, à realização de seus anseios. Assim, desejando e indo em busca do que traz satisfação, a alma está cumprindo seu propósito.

Os apegos, no entanto, funcionam em dois sentidos. O apego a uma pessoa ou a um objeto pode funcionar como uma algema, aquilo a que você se apega, apega-se a você, assim a liberdade de movimento fica restringida.

Algumas almas têm um apetite tão voraz, que jamais se satisfazem; nestes casos, o movimento da alma se assemelha ao do lobo – sempre em busca de uma nova presa.

Os apegos precisam ser entendidos em seu duplo sentido. Eles trazem benefícios, mas também representam restrições ao desenvolvimento.  A alma se movimenta através das experiencia da vida; tem a opção da escolha, pode, dessa maneira, selecionar seus apegos, por que possui o livre-arbítrio.

A mente registra experiencias e informações, interpretando as energias em termos de linguagem, deforma que lhe é sempre possível recapitular, reexperimentar o já vivido. Ela, então, serve à alma que relaciona tais registros e símbolos, desta maneira, a alma absorve e acumula dados que lhes são uteis, no aprendizado do apego e do desapego, ou, dito de outro modo, ela adquiriu subsídios, para fazer escolhas quanto ao momento de apegar-se, e quanto ao momento de desapegar-se.

Após milhões de anos exercitando-se em apegos e desapegos, a alma conquista um censo de individualidade muito fortalecido, tornando-se um campo de energia tão poderoso, que não pode ser tão facilmente destruído.

A alma só se apega ao que tem valor para sua sobrevivência. Esse processo se inicia com o corpo; quando exercitamos a força física, fortalecendo a musculatura, construindo uma imagem perfeita, isso dá à alma a ideia de que ela está no comando, de que é proprietária de seu corpo.

Tendo dominado o corpo ao qual está apegada, a alma pode, por um tempo, vangloriar-se de sua própria beleza.

No entanto, isso não a satisfaz plenamente e logo ela inciia a busca de desafios maiores, para, assim, fazer novas conquistas.

Ela descobre desse modo o caminho da comunicação, dos relacionamentos, do poder, da filosofia, da religião, da lei, dos negócio, das artes e de tantos mais que lhe deem um sentido de preenchimento.

O desejo pelo poder está diretamente relacionado ao medo. Uma alma que tem medo sempre ira atrás do poder, para se defender do poder de outras almas; temos assim uma situação na qual aqueles que estão com medo se protegem de outros que se sentem do mesmo modo.

Construindo vários tipos de mecanismos de defesa, a alma termina se esquecendo de que todos nos pertencemos uns aos outros, que viemos da mesma fonte. Essas são ilusões que surgem em decorrências de estarmos vivendo em m mundo de dualidade, num plano tridimensional. A questão chave é quem desperta primeiro, quem é capaz de enxergar essas ilusões.

A motivação de uma alma em desenvolvimento está relacionada por um lado a seus desejos e por outro lado a seus medos. Por meio dessas polaridades a alma consolida um conjunto de informações, também conhecido como os aspectos positivos e negativos da alma. Isso permite que ela construa sua individualidade e desenvolva sua maneira única de lidar com a vida.

A naturza da alma é de trabalhar naquilo que esta incompleto. Ela esta sempre lidando com as polaridades, e embate com alguma coisa, buscando desafios. Essencialmente aquilo que esta em oposição a uma alma, dá-lhe a oportunidade de provar para si mesma quem de fato é. Através desse processo de deenvolvimento o senso de individualidade é construído.

As crenças são formadas de acordo com a maneira que a alma interpreta suas experiências; as atitudes diante da vida estão diretamente relacionadas às crenças. Algumas almas experienciam o mundo em que vivemos como lugar maravilhoso, cheio de oportunidades para criar, para compartilhar amor e alegria; outras o experienciam como um lugar hostil, e se isolam, enchendo seus corações com toda sorte de medos.

As atitudes são resultantes das cresças, ou, em outras palavras, reflexos das crenças, essas, por sua vez, são interpretações que geram atitudes.

Assim a alma facilmente se torna presa de um circulo vicioso, no qual as experiencias são vistas sob um ângulo repetitivo que mobília atitudes padronizadas diante da vida.

Quando, porém, lembramo-nos de que as lições das experiencias estão diretamente relacionadas com os apegos que temos, podemos ver com clareza que cada apego pode ser defeito. Tudo de que necessitamos é desenvolver u desejo de libertação que seja maior que o apego estabelecido.

Para nos livrarmos, por exemplo, de uma atitude negativa, temos que gerar um desejo de libertação que supere o desejo, que nos mantém atados à tal atitude. Do mesmo modo, também podemos analisar por que temos certa atitude e o que ela provoca em nós, e no ambiente de nossas relações.

Normalmente a alma reconhece que uma atitude negativa cria separação em relação aos outros e causa sofrimento. Ela, contudo, necessita exatamente do sofrimento para despertar, para adotar uma atitude diferente, e através dele que se torna motivada para crescer e desenvolver-se. Então, o que causa desconforto e dor torna-se o desafio que instiga a alma a realizar todo o seu potencial, para a vir a ser uma criação única e individual.

As almas vão ganhando consciência ao longo de inumes vidas. Viajando por diferentes zonas de tempo, experienciando milhões de situações, elas se dão conta de si mesmas, como consciência divina e criadora. A alma adora essa jornada! Desfruta desse entrar e sair da forma física, sem nenhuma preocupação, como fato de passar para um outro estado, para uma nova experiencia. É a mente que se preocupa com sua morte, ela em geral é que tem medo dessas mudanças naturais.

A natureza da alma é uma aventureira, ela está sempre confortável, seja no plano físico, ou fora dele. Não existe a morte; só há a mudança e continuidade da jornada. AA vida não termina quando o corpo é abandonado, ao contrário, a alma entra no reino invisível e em função da lei da atração, logo se encontra em companhia daqueles que amou anteriormente.

 

Fonte: Consciência é a resposta – Robert Happé.
Editora Pillares.

Voltar
 
Cursos